Estórias… só nossas…

Por Jandira 02 SET 2020 - 17h20min
Foto: O Pantaneiro

A difícil tarefa de escolher… realizar então um projeto de um grupo, quando as distâncias entre vilas, ou cidades eram enormes… tempos difíceis eram aqueles…. somente os reios, faziam e eram as estradas de hoje…. remando rio acima ou descendo, enfrentando corredeiras…. sempre iam chegando….

Assim, os fundadores de nossa cidade remando rio acima, chegaram no lugar escolhido por eles, para fundar nossa cidades. Nas margens do rio foram ficando, por ter maior facilidade de desembarcar, ou  por conhecer já o lugar escolhido à margem esquerda do rio ficou como o porto… depois na outra margem surgiram pequenas casas, ao redor da pequena igreja….

Naquela época, enfrentando tantas dificuldades, vindas de tantas partes do mundo, em busca de um bom lugar para viver… tantos estrangeiros iam chegando…

Enquanto na margem direita do rio e de suas imediações… gregos, alemães, turcos, árabes iam se acomodando com pequenos comércios… na outra margem… eram os italianos, que chegavam e se agrupavam, iam construindo suas  moradias, verdadeiras fortalezas feitas de pedra arenito, réplicas das de sua terra natal…. foram elas se espalhando por todas as ruas da vila, construções tão perfeitas que até hoje, tantas delas estão de pé…. conhecidas como os “ que são “Casarões” que são admirados por suas estruturas… tantas delas agrupadas na mesma quadra… seus donos e suas famílias viveram por anos nessas casas….

Viver nesta época… tão diferente dos dias de hoje…

Campanha Atlântico Super Center - Quinta_06

Para se chegar à outra margem do rio…. não existia ainda a ponte….. uma balsa com seu balseiro, fazia morosamente esse trajeto… estória antiga que Dona Sofia contou-me. Quando criança costumava passar o domingo na casa de seus padrinhos…. como morava na outra margem do rio, atravessava na balsa, em companhia de seus pais e na outra margem seu padrinho…. lembrança tão boa.

Tudo mudou, com a notícia da chegada do trem…. a Noroeste do Brasil trazendo tantos trabalhadores, fazendo que a vila cidade tivesse um enorme desenvolvimento…. progresso enfim chegava com força total, modificando tudo… ruas… praças…. casas… que foram aparecendo, principalmente nas imediações onde os trilhos do trem iam passar…. Com a chegada do trem, tantas novidades chegaram: viajar com facilidades… até os estrangeiros que vieram em busca de um bom lugar para viver… foram também atrás de um novo lugar mais desenvolvido que o nosso.

Na margem esquerda do rio, que era um bairro da cidade, tantas casas que há tanto tempo eram moradias confortáveis e belas…. foram trocadas por seus donos, por outras mais modernas no Centro de nossa cidade que se desenvolvia dando mais conforto para se viver, ficando aqueles casarões fechados ou alugados…..

Somente pernambucanos, paraguaios, pequenos lavradores ficaram ali….. dependendo de tudo, da outra margem do rio….

Mais tarde, esse pedaço tão esquecido da nossa cidade… a margem esquerda do rio… bairro tão antigo…. onde tudo começou tornou-se então outro município…. surgiu “Anastácio”, cidade irmã, mas isso é outra história a ser contada.

ORAL MOBILOE

Deixe seu Comentário

Leia Também

Genezio Hamburgueria - Lanche Gourmet - 12
FecharAbrir
Fale com a redação